Frozen 2 realça o gargalo nas continuações dos filmes da Disney

Após 7 anos do lançamento de Frozen (eu sei, faz tempo), veio a sua continuação. Frozen 2 busca explorar mais a mitologia dos poderes da Elsa e voltar ao passado de Arendelle, mantendo o tom divertido e a essência de seus personagens. Um dos lançamentos mais aguardados, no entanto, falha em pontos cruciais e evidência um gargalo comum nas continuações da Disney.

Elsa começa a ouvir uma voz misteriosa, e, quando Arendelle é colocada em perigo, a rainha sente a urgência de seguir essa voz. Sem saber se é boa ou má, Elsa embarca na aventura com seu clã: Anna, Kristoff, Sven e Olaf, claro. A trama ultrapassa os limites de Arendelle e nos apresenta uma floresta encantada, com a magia muito mais presente. Anna permanece superprotetora com a irmã, Kristoff se atrapalha com suas emoções, e Elsa quer descobrir mais sobre a voz e sua conexão com a magia.

O primeiro Frozen foi um acontecimento na minha vida. Assisti no finalzinho de 2013, pronta pra viver um aventura, meu intercâmbio – onde, claro, tudo da Disney estava infestado de coisas do filme – foi muito pessoal. Eu amei cada instante daquele filme: fiquei surpresa com o plot twist do final, amava Anna, cantava versão original e PT-BR de todas as músicas. O principal, no entanto, foi a quebra de estereótipos que o filme trouxe: a não existência do príncipe encantado e o amor verdadeiro e poderoso entre duas irmãs. Frozen tem uma história belíssima e foi uma revolução no mundo filmes de princesa. Por isso sua continuação não atendeu minhas expectativas.

Frozen 2 é preguiçoso. O enredo do filme é fraco, a mitologia dos poderes de Elsa e toda a coisa dos quatro elementos é rasa demais, mal explorada. O passado de Arendelle, a relação das irmãs, a Anna com o Kristoff, a jornada de Olaf, a mitologia indígena, é muita coisa introduzida que não tem tempo de acontecer e, por isso, ao final, tudo tem uma solução simples, previsível, sem emoção. O enredo de Frozen se apoia demais no primeiro filme, tentando transmitir a mesma mensagem de cumplicidade das irmãs e perde a oportunidade de explorar com mais potência a ancestralidade das duas, a relação com o povo nativo, ir fundo no que criou.

O longa funciona muito bem para o público a que se destina: o alívio cômico de Olaf junto a história clara e objetiva cativam os pequenos. Porém, Frozen, e os filmes da Disney em geral, conseguem conversar com os dois públicos e, nessa continuação, os adultos ficam frustrados com a ausência de uma mensagem mais poderosa. A mitologia não funcionou para mim, assim como as jornadas do Kristoff e do Olaf. Muitos personagens são introduzidos e não explorados, e esse é o resumo do filme: muitas novidades, mas nenhuma verdadeiramente significativa.

frozen 2 critica

As músicas, no entanto, carregam o filme inteiro e o enchem de sentimentos. As canções são profundas, divertidas, densas e foram nessas cenas que me conectei com o longa. O hit Into the Unknown é perfeito: a mitologia, o significado, para mim, superou Let It Go. Assisti dublado, e adorei as duas versões de praticamente todas músicas. O momento astro pop do Kristoff é sensacional e uma redenção para a seu arco clichê e fraco, no qual ele funciona como uma ferramenta de roteiro, apenas. Só conhecer os sentimentos dos personagens por meio de músicas solos é quase o equivalente é estabelecer monólogos solitários, não é legal, é fraco – e isso acontece três vezes, fragmentando as histórias e as relações.

Os personagens cresceram tanto no primeiro filme que, em Frozen 2 eles viraram uma caricatura de si mesmos. Anna está insuportável quase numa relação tóxica com Elsa – seu discurso é incompatível com suas ações, e, aos moldes do antecessor, a relação das duas gira em torno de uma proteger a outra e reconhecerem seus diferentes poderes e potencialidade. A relação de Elsa e Anna estar no mesmo ponto com a mesma discussão é frustrante, e ignora os fatores externos e desdobramento dos acontecimentos pessoais de cada uma. Elsa é a única que tem uma jornada realmente significativa de autoconhecimento. Rainha de Arendelle e do filme, sua personalidade é reconhecível, compatível e ela cresce ao final. Mesmo que tenha tentado repetir a fórmula do primeiro, com ela funciona.

frozen 2 elsa e anna

Olaf é um dos bichinhos de princesas que eu mais amo – assim como abraços quentinhos. A música solo do primeiro filme é perfeita, divertida e nos introduz o boneco de neve mais meigo do mundo. Porém, ao tentar oferecer, novamente, um momento solo do personagem o filme tem seu ponto mais desconexo. A música não faz sentido, as cenas não fazem sentido e, ao final de toda a trajetória repetida do personagem, não vemos um impacto da mesma na sua personalidade. Para mim, abusaram muito do Olaf como alívio cômico e “prende criança” e desperdiçaram um potencial de desenvolver melhor o bonequinho de neve.

Não estou implicando com um filme que é para ser infantil, estou apenas exigindo o nível de qualidade que sei que a Disney é capaz de oferecer: principalmente quando se trata de um dos sucessos mais lucrativos recentes do estúdio. Frozen 2 é divertido, meigo, visualmente lindíssimo mas, não é o meu Frozen quebrador de paradigmas. Um filme que cresceu por sua novidade e revolução do gênero não poderia ter escolhido o caminho fácil de repetir a fórmula com uma história de mitologia rasa. Na verdade, nunca precisávamos saber as origens dos poderes de Elsa, porque os poderes eram apenas uma metáfora por ela ser diferente. E podiam ter explorado muito mais os nativos e essa vertente da história criada.

Se tem uma coisa que realmente gostei, além das músicas perfeitas, foi a ausência de um vilão. Nesse aspecto, o enredo funciona em sintonia com sua essência e mostra que as batalhas internas são mais pesadas do que com um personagem bidimensional querendo dominar o mundo. No entanto, já havíamos experienciado algo parecido em Moana. Gostei do posicionamento e espero que a Disney continue nessa linha de história de princesas, mas está na hora de introduzir uma nova, e deixar as continuações de lado.

frozen 2 da disney

Enquanto escrevo essa crítica estou ouvindo a trilha sonora do filme e desejando ter um boneco do Olaf e ir para o centro capitalista chamado Disney World – porque eu sou a pessoa que odeia amar tanto essa empresa. Porém, numa época de animações tão legais, pessoais, e que conseguem ser tanto para crianças quanto adultos, Frozen 2 deixou a desejar. Visualmente é impecável, os efeitos na água são lindos, a Elsa interagindo com os elementos é fantástico (sem falar da paleta de cores, LINDÍSSIMA), mas mesmo nesse quesito a preguiça que mencionei a cima é sentida: o filme abusa de fundos pretos nos momentos de magia, desperdiçando mais um potencial de ser aquela coisa criativa magnifica que animação tecnológica rica poderia ser.

Frozen 2 é um acúmulo de potenciais desperdiçados. Óbvio que não é ruim, nem perto disso, estamos falando de uma das maiores apostas da Disney. Mas essa mania deles de jogar no seguro e repetir as fórmulas que funcionaram é cansativa e frustrante. Não é a primeira vez que sabotam algo que nasceu ousado (Star Wars, olá) e, no momento do estúdio, acredito que está na hora de se renovar e desprender do passado.- afinal, quem assistiu as continuações dos filmes das princesas? Quem ama? Quando foi uma boa ideia? – Já assisti ao primeiro filme, assim como todas suas histórias, Disney, 2020 acho que já podemos contar novas aventuras.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s