Annabelle 3 foca em easter eggs e esquece do roteiro

Annabelle de Volta para Casa é o terceiro filme da boneca amaldiçoada e chega para atestar que ela é, realmente, o mal encarnado! Com várias conexões e referências com seus companheiros da franquia The Conjuing, o filme trabalha bastante o fanservice, mas entrega pouco conteúdo e história. Apoiado em jumpscares entediantes, Annabelle fica aquém das minhas expectativas e evidência desgaste narrativo. A primeira experiência com o universo de Invocação do Mal não causa o medo e o impacto esperado, pelo contrário, traz um paralelo inesperado com Uma Noite no Museu.

Eu nunca achei que esse momento fosse acontecer: assistir a um filme de terror sozinha no cinema e estar escrevendo sobre no blog, tranquila e serena. Como uma medrosa e facilmente impressionável, o gênero sempre me causou muito pânico e noites em claro, e por isso resolvi mesclar nesse texto uma descrição da minha experiência com a crítica do filme. Annabelle é um queridinho do cinema sobrenatural atual, e a boneca é deverás horrorosa, não sabia nada a seu respeito e devo dizer que o contato me decepcionou. Um background da franquia e da própria boneca fez, sim, muita falta durante o longa, não pela história do filme, mas para entender a relevância das coisas mostradas em cena.

annabelle locked

Vamos começar pelo começo: o subtítulo. De Volta para Casa só fez sentido quando li sobre todos os filmes envolvendo a boneca, e descobri que este é mesmo o com a história mais fraca. Depois de conhecer a origem da boneca no segundo filme, e sua malignidade toda no primeiro, agora Annabelle vai para a casa de Ed e Lorraine Warren (Patrick Wilson e Vera Farmiga), demonologistas famosos que mantém um museu de objetos amaldiçoados protegidos com muitas orações e bênçãos. Quando os dois saem para um trabalho (provavelmente o Invocação do Mal 1, conexões, pessoal), sua filha Judy (Mckenna Grace) fica aos cuidados da baba Mary Ellen (Madison Iseman). As duas planejam uma comemoração antecipada do aniversário da garotinha quando recebem a inesperada visita de Daniella (Katie Sarife), amiga de Mary Ellen e uma menina sem noção alguma que entra escondida no museu do mal e mexe no que não devia, liberando os demônios na casa – liderados por ela, a estrela do filme, Annabelle.

Para escrever sobre e conseguir compreender melhor o filme, eu fiz pesquisa – li sobre os filmes anteriores de Annabelle e sobre a franquia Invocação do Mal. O primeiro problema (meu) começa com a minha absoluta ignorância de que tudo isso era um universo compartilhado! Sim, se você, também não tinha essa informação, Annabelle é um spinoff de Invocação do Mal, filmes que são protagonizados pelo casal Warren. Eu já conhecia, um pouco, sobre os dois e suas atividades sobrenaturais de combate ao mal, principalmente pelo vislumbre dos livros publicados pela Darkside. Ed e Lorraine realmente existiram, sendo este filme, inclusive, em memória de Lorraine Warren que faleceu em abril deste ano. Ou seja, acontecimentos baseados em fatos reais, mas muito enfeitados e transformados para ficarem legais nos filmes.

Não contente em ir atrás dos filmes, eu fui fundo e pesquisei a verdadeira história da Annabelle – minha curiosidade é mais forte que o medo, e, o segundo momento que nunca acreditei que fosse chegar, estou absolutamente interessada em ler mais sobre haha. Enfim, a Annabelle original tem um look bem mais simpático que a do filme, mas é igualmente MALIGNA, e os filmes são uma verdadeira adaptação da história real. Acredito que isso que traz o sucesso da franquia, o fato de terem embasamento com a realidade e se permitem adaptar o suficiente para caber em uma narrativa audiovisual ficcional. Não é um documentário, mas tem na sua base uma história verídica, como uma cinebiografia das aventuras horrorosas dos Warren.

annabelle mary ellen

O ponto no qual Annabelle 3 peca é, justamente, no roteiro muito fraco. A história é bem avulsa, e se comporta mais como uma aventura pontual, não evoluindo na trama da boneca, nem no universo de Inovação do Mal, ela não agrega em termos narrativos. Por se passar na casa dos Warren, tenho certeza que no museu sobrenatural existam referências aos outros filmes da franquia como A Freira e a Maldição da Chorona, porém, é como um fanservice que não influência na evolução da trama. Pelo que pude captar dos outros expectadores (ouvi conversa alheia mesmo), os principais elementos sobrenaturais desse filme, com exceção da boneca, também não foram introduzidos, e criamos várias perguntas que, acredito, serão respondidas com outros filmes – só que isso é meio chato.

O longa segue o clássico modelo de filmes de terror, com três meninas jovens presas numa casa amaldiçoada sendo perturbadas por entidades malignas e não conseguindo contato com adultos. O alivio cômico representado por Bob (Michael Cimino) é fraco e desconexo, e serve apenas para cortar o clima e vender um romance fraquíssimo. Quando faço o paralelo com Uma Noite no Museu, é isto: os objetos do quarto do mal ganham vida e ficam injuriando as meninas, apenas. O filme tem bastante jumpscare que não entregam nada, são sustos bobos que vão entediando o expectador, e quando chega, finalmente, o momento de horror, não sentimos medo pois já tinha gastado minha cota com tensões desnecessárias. A história fraca leva o filme ser meio arrastado, e demora muito para alguma coisa acontecer, então nos 100 minutos, só vai ficar realmente loucura lá pelo 70, antes nada acontece.

annabelle comes home

Fora esse detalhe do roteiro mais ou menos, eu adorei a produção técnica. A trilha sonora é muito uma vibes boneca fofa assassina, com aquelas músicas irritantes e medonha de caixinhas de bijuteria. A ambientação final dos anos 1960 é excelente, a casa dos Warren é tenebrosa, com aquela arquitetura esquisita de casa americana e uns papeis de parede que gritam CASA MAL ASSOMBRADA, toda essa parte de direção de arte é muito caprichada. A estreia na direção do roteirista da franquia, Gary Dauberman é boa e competente, e consegue segurar bem a história fraca, apesar do excesso de jumscare. Muito me surpreende esse roteiro mixuruca, visto que ele não é só responsável pelos filmes anteriores da Annabelle, como por It: A Coisa, que é absolutamente excelente. Mas escorregões acontecem, né?

Quem também assina o roteiro e a produção é James Wan, dono desse universo todo, mas que, aqui eu acredito ter sido um filme mais para encher o universo. O ponta pé inicial da merda toda no filme é inconcebível para mim, eu fiquei bem “WTF?”, difícil superar, perdão. Outro ponto decepcionante para mim, já voltando a falar mal, mas que aí foi erro meu com expectativas desalinhas, foi a própria Annabelle. Gente, que boneca CHATA! Eu não sabia que ela só ficava aparecendo em lugares, eu achei que era uma coisa meio Chucky, e a todo momento eu ficava esperando algo que não vinha, obviamente. Quando ela assume uma forma meio capiroto, também não me convenci, ele parece algo de Sabrina, então não me botou muito medo – o que é bom para meu sono noturno.

Apesar da experiência frustrante, eu adorei ter dado essa chance para Annabelle. Saí da sessão muito orgulhosa de mim por não ter sentido medo e me exposto ao ridículo no cinema, e também pela abertura num universo que eu tinha bastante receio. Não sei se estou mais corajosa ou o filme realmente não põe terror, mas eu adorei conhecer mais desse universo e, quem sabe, eu tente em algum momento assistir aos outros, não é mesmo? É um filme que lida com religião e possessões demoníacas, então recomendo cautela caso você seja muito sensível ao tema – eu sou, às vezes. Fiquei muito curiosa em ler o material sobre Ed e Lorraine Warren, e talvez esse seja um jeito mais tranquilo de começar a matar a curiosidade.

2 comentários

  1. Primeiro, parabéns pelo seu site. Entrei nele buscando sobre sites que tem alguma coisa próxima ao meu. E, vendo aqui e ali, percebi essa sua crítica pra Annabelle 3. Admito que ainda não vi este filme, apenas sei algumas coisas do longa, mas não vi nada ainda não. Agora, quanto a Freira, eu já vi e inclusive postei lá no Portal. Onde eu falo com auxílio de um colega meu sobre qualquer coisa, desde curiosidades de viagens, críticas de jogos e filmes e tal. Até mesmo dado essa quarentena toda tem sido palco pra falar alguma coisa. Se quiser dar uma olhada, seguir e dar dicas de próximas coisas a falar ficarei feliz demais.
    Abraços! https://guarientoportal.com/

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s