Artigos e Crônicas

A nova She Ra é melhor que a antiga?

Na era dos reboot, nem She Ra escapou. A heroína da espada mágica está de volta para salvar Etéria, mas será que essa aventura é melhor que o clássico dos anos 80?

Na última sexta feira (26), chegou na Netflix a segunda temporada de She-Ra – o reboot comandado por Noelle Stevenson. A animação ícone dos anos 80, apesar de ter uma mensagem incrível, precisava de uma repaginada para conversar melhor com o público de hoje e suas demandas. Apesar de manter sua essência, muita coisa mudou, e, na minha opinião, para melhor!

Começando pela responsável por idealizar esse projeto: Noelle Stevenson. Essa mulher é simplesmente incrível. Ilustradora, quadrinista e produtora de animações, Noelle é responsável pela minha HQ preferida, Nimona (em outra oportunidade falo sobre ela, mas saiba que é perfeita e você precisa ler). Conhecida por seus projetos com muita diversidade e personagens tridimensionais, a autora consegue transitar entre o fofo e infantil para o dramático e complexo com maestria, e isso enriquece demais o projeto. Não mais a única princesa do poder, o reboot traz suas mudanças desde o título, que coloca a palavra no plural. She-Ra ganha muito saindo das mãos de produtores homens e aperfeiçoando o desenho em si, com um foco além de apenas ser uma alavanca de vendas de bonecos.

Como falei nesse texto, She-Ra tem muito potencial, e Stevenson lapidou e a atualizou a animação de forma a saltar as características boas e sumir com a maioria dos defeitos. Aqui vão as maiores mudanças sofridas e, consequentemente, motivos para você assistir à animação, independente da idade.

she ra espada magica

  1. A relação de She-Ra com seus poderes

No desenho antigo, Adora encontra seu, até então desconhecido, irmão gêmeo, recebe a Espada Mágica e puft: She-Ra nasce plena para salvar a todos. Agora, não! Adora ainda é uma espécie de escolhida pela Espada, mas, primeiro, não tem intermédio nenhum de homem, e, segundo, ela não sabe direito como funciona e não tem lá tanto glamour haha.  O intermédio do He-Man aqui é importante pois, na série original, ele simplesmente entrega a ela a Espada e, aqui, Adora acha e descobre sobre a arma sozinha! A sua jornada é mais individual, focada no autoconhecimento, sem que ninguém diga a ela quem é ou o que deve fazer.

Nessa nova versão, acompanhamos Adora descobrindo aos poucos como invocar a She-Ra e quais poderes essa grande guerreira tem. Nada é encarado de forma blasé, mas com muito espanto e, principalmente, questionamentos. Adora quer entender por que só ela consegue se transformar em She-Ra, por que a Espada a “escolheu” e da onde vem toda essa mitologia, o que mais isso esconde.

Diferente da primeira versão, na qual isso não tem muita explicação, as questões ligadas ao poder da protagonista guiam a história. Somado a isso, a descoberta da verdade sobre a Horda por Adora é repleta de conflitos! A troca de lado da batalha feita pela personagem não é fácil, vemos suas emoções colocadas em cheque, o impacto que essas descobertas e ações do grupo que, antes fazia parte, têm na vida dos locais. Adora é amplamente trabalhada, tem personalidade, tem profundidade e amadurecimento!

she ra arqueiro cintilante amizade

  1. Relações de Amizade

Os amigos de Adora também tem seus arcos e desenvolvimentos. Além disso, relação que cada um vai construindo ao longo dos episódios é muito especial, servindo não só para destacar a suas personalidades distintas, mas criar uma conexão real e evoluir a narrativa.

Arqueiro e Cintilante tem uma amizade incrível – os dois são muito diferentes, mas tem uma sintonia que remonta a amigos de infância. Eles se respeitam, reconhecem os pontos fortes um do outro, confiam e se apoiam mutuamente. Os dois ainda criam uma relação diferente quando conhecem Adora, que abala um pouco essa amizade, e a ajuda se desenvolver ao mesmo tempos. Os três foram um trio de amigos espontâneos, que mais do que compartilhar aventuras, dividem seus medos, frustrações e inseguranças. Agora Adora não precisa carregar o fardo de She-Ra em segredo, seus amigos sabem e auxiliam nesse conflito da protagonista.

she ra felina shipp

Essa, por sua vez, tem uma relação super complexa com Felina. Amigas de infância e órfãs, cresceram juntas nas instalações da Horda, e, mesmo com as condições de tratamentos diferentes que recebiam, desenvolveram uma enorme cumplicidade e parceria. Felina é uma pessoa muito difícil e tem apenas Adora como sua amiga, enquanto está é uma querida. Quando Adora foge da Horda, a relação das duas fica estremecida, e ai mergulhamos num emaranhado de emoções que nos deixa muito divididos.

Então temos uma amizade linda e saudável que amadurece nas dificuldades e reconhece seus erros, e uma amizade que beira a toxidade e mostra um lado mais obscuro dessa relação.

she ra primeira temporada

  1. Girl Power – As Princesas do Poder

A primeira animação fez algo inédito para a época e mostrou as líderes de Etéria como mulheres mega poderosas – mas, infelizmente, na maior parte isso ficou muito dito e pouco mostrado. Como uma das atualizações necessárias, temos um melhor desenvolvimento das Princesas do Poder, conhecemos quais são suas especialidades mágicas, sua importância no ecossistema de Etéria e a vemos efetivamente liderar exércitos e cidades. Conhecemos os castelos de cada uma e vivenciamos as duas diferenças físicas e emocionais.

A tentativa bem sucedida de fugir dos estereótipos femininos agrega demais a animação. Enquanto na primeira todas eram iguais (por uma questão tecnológica, mas não só), agora temos princesas que amam tecnologia, princesas gordas, princesas lésbicas, princesas negras, enfim, todos os tipos – não só físico, pois temos princesas doces e meigas, blasé, agressivas, e tudo mais. O romance é posto de lado, e as mulheres no desenho estão preocupadas com o futuro do seu reino, com seus planos, em fazer acontecer as paradas – para o bem, ou para o mal.

Houve, também, um processo de dessexualização das vestimentas das personagens. Enquanto na animação original She-Ra usava um mini vestido tomara que caia com salto alto, agora nossa heroína tem uma macaquinho confortável bem mais apropriado para salvar o dia. As demais personagens também se livraram dos seus figurinos agarrados e marcados e ganharam roupas estilosas e em conformidade com suas personalidades e estilos de batalhas. O melhor de tudo foi o fim daquela maquiagem e roupa ridículas de Felina, sendo completamente renovada, oferecendo uma proposta de personagem bem mais interessante.

she ra princesses of power

  1. Representatividade é o lema

Esse é um dos valores no qual Noelle Stevenson se apoia para criar suas histórias e o que precisava trazer para She-Ra. A animação já tinha conquistado o público LGBT mesmo nos anos oitenta, se tornando referência nesse meio, mas, convenhamos, essa nunca foi a intenção deles. Agora, propositalmente, She-Ra traz uma narrativa que faz o possível para fugir da heteronormatividade. Temos um casal lésbico de princesas e personagens com gênero e orientação sexual fluidos – em entrevista, a produtora inclusive afirmou que praticamente todos são assim. O que originou o maior ship da animação na atualidade: Adora e Felina.

Não só no âmbito LGBTQ+, mas Stevenson traz também diversidade racial para a animação. Os personagens tem cores diversas, não se limitando a um único tom, e, dentro disso temos as diferentes culturas de cada reino. O universo bate tanto na tecla de criar pessoas diferentes, personagens reais (na medida do possível) e bem estruturados que é quase impossível você não achar ninguém para se identificar – a menos que seja um homem padrão sem graça, porque She-Ra não trabalha com coisas sem graça. Nada de esteriótipos, nada de mais do mesmo – o mundo é plural, os conteúdos também precisam ser.

she ra princesas do poder

  1. Mitologia

Tangenciando um pouco o aprofundamento de personagens, temos o guarda-chuva disso tudo que é a mitologia. A animação atual mostra constante preocupação não só em dar um background aos personagens, mas função narrativa que se conecte com a grande história por traz, a Espada Mágica de She-Ra. Dessa forma, a origem dos poderes das princesas, a aplicabilidade de cada castelo e o domínio e doutrinação da Horda se convergem para um ponto em comum e cria motivações que antes inexistiam.

A nova She-Ra traz um desenho muito mais interessante e cativante de ser assistido por ter uma história continua, que explica e questiona o que está acontecendo com seus personagens. Sombria, uma peça fundamental da Horda, era totalmente jogada e ninguém entendia muito qual era a dela, isso, agora, mudou. Bem como o papinho de feitiço de domínio mental na Adora, que, contribuindo para o discurso político da série, assume que estava consciente quando fez as atrocidades pela Horda – que não sabia ser má. No todo, a história, as motivações e consequências são muito melhor trabalhadas e bem mais interessantes.

she ra reboot

Aqui não entrou a qualidade técnica da animação porque isso é bem óbvio que mudou e melhorou bastante (e está indiretamente contemplada). Porém, vale dizer que a nova She-Ra é linda, o desenho é uma graça, super expressivo, colorido, cheio de arco-íris, roupas incríveis e poderes mágicos. A transformação da She-Ra faz referência a Sailor Moon e demais animes da época, o que é incrível, encantador e dinâmico – especialmente porque ela não o faz a cada 5 minutos como no original haha.

A única ressalva desse reboot é que ele manteve seu público-alvo bem fiel, por isso tem uma linguagem infantil. Diferente de Carmen Sandiego (confira aqui), She-Ra pode não agradar aos não entusiastas de animações devido a essa inclinação mais ingênua. Apesar de apresentar uma trama interessante e bem construída, com reviravoltas e profundidade, os diálogos e situações são destinados a um público mais novo.

Recomendo muito que você assista She-Ra, que tem muito a pegada de Steven Universe, e indique para as crianças ao seu redor, para crescerem com uma animação muito mais inclusiva, complexa e com valores fofíssimos. Atualizações são sempre bem vindas, especialmente quando melhoram algo que nasceu com muito potencial! Noelle Stevenson soube trazer o melhor da She-Ra dos anos oitenta para hoje, consolidando essa animação histórica.

13 comentários em “A nova She Ra é melhor que a antiga?

  1. Nossa quanto homem chato, eu simplesmente amei o desenho, é interessante como só tem homem se doendo kkkk tirar os peitões e o mine tomara que caia de uma personagem é realmente cutucar uma ferida. A série atualmente tem 5 temporadas e Fala sério, é incrível, com uma trama bem mais complexa que a anterior, eu tenho 21 anos e consegui me prender mesmo o desenho voltado pra um público mais infantil, as relações entre as personagens são incríveis, o desenvolvimento de cada um muito bem trabalhado, eu achei a obra inspiradora. E sobre as relações homo afetivas tem cumplicidade apenas, tratadas com naturalidade e de maneira inocente, não tem nada sexualizado, não é diferente de nenhum casal/ship hetero que tem em vários desses desenhos infantis, então qual o problema? Afs sem paciência pra essa gente, só sei que apresentei o desenho pra minha irmãzinha e ela amou também, então meus mais sinceros fodase pra todos esses macho se doendo, fico feliz em saber que a animação tá inspirando garotinhas a serem fortes e independentes. E plmd nenhuma criança se torna gay ou lésbica por ver algo assim, se vocês tivessem crescido vendo mais desenhos desse tipo talvez tivessem entendido que o mundo é diferente e aprendido a respeitar as diferenças dos outros e não sendo o tipo de cara escroto que vejo nesses comentários. Beijos de luz pra vocês.

    Curtir

    • Obrigada por esse comentário haha! Concordo plenamente com você, e, além de tudo, She-ra é um desenho super inspirador, com mensagens lindas de amizade, força, união, diversidade e respeito. É muito rico em tudo, e lindo. Fico feliz pelo seu comentário ❤

      Curtir

  2. leticiadpaula

    Gente, só os macho escroto comentando aqui?! Tão realmente comparando hipersexualização com relações homoafetivas? Bando de machistas e homofóbicos! Chorem menos queridos, os tempos mudaram! Aceita que dói menos, o desenho é incrível!

    Curtir

    • Alex Macho Escroto...kkk

      Vsf, feminazi escrota de 13 anos. Vc não sabe poha nenhuma da vida ainda. Vai fazer chapinha nos cabelos do seu suvaco e fazer textão no face que é mais tua cara. Não se mete em coisas que vc não conhece. Bjs.. 😁👍

      Curtir

    • Anônimo

      isso msm!

      Curtir

  3. Daniel

    Realmente o desenho tem apenas o nome do antigo e dos personagens, é outro desenho tentando alavancar no sucesso do predecessor. Além de tudo vem esses argumentos nada a ver dizendo que não pode sensualizar colocando uma mulher bonita com decote e saia curta, aí criam duas meninas lésbicas e colocam no desenho.

    Curtir

  4. Mauricio

    Discordo da materia, she ra da decada de 80 foi um sucesso pois tinha a referencia de He-man, a historia da espada vindo do meio da floresta foge da historia real, a moda de fazer personagens infantilizados em todos desenhos animado e tentar sexualiza-los com gêneros, esta um saco, e as Felina, Sombria e Sintilante assim como a She ra eram muito melhores antes, lamento mas não agrada a todas as idades.

    Curtir

  5. Essa série é uma BOSTA, assim como sua opinião. Melhor que a antiga? Nunca! Jamais! Quem faz uma porcaria dessas, quem tem a coragem de mudar os traços originais de um clássico como esse, Pica-Pau, Tartarugas Ninja e outros, deveriam ser PRESOS sem direito a fiança. Simplesmente mataram o desenho, que fez parte da infância de todos da época. Quem é vc pra querer opinar em coisas que não são da sua época?

    Curtir

  6. Tião Ferreira

    “She-Ra ganha muito saindo das mãos de produtores homens…”. Parei de ler aí. Pena não ter um botão de “dislike”, creio que não puseram um temendo a enorme repercussão negativa.

    Curtir

  7. Fique claro aqui, antes dos palhaços petêhuckanizados falem as suas merdas: não me interessa o que rola entre 4 paredes entre duas pessoas, seja quem forem. O que sempre acho desnecessário essa necessidade de colocar um gênero forçado antes de uma produção cultural, desenho ou arte para menores de 18 anos. Ponto.

    O que Zezinho ou Luizinho faz na cama é problema deles. Trazer She-ra para essa realidade, onde ela já era uma baita de uma mulher, claro em desenho animado, na década de 80 para essa politicagem de gênero de quinta categoria é terrível; abominável. Relações sociais, sejam quais forem, não tem nada haver com caráter, produtividade e não define quem somos! Chega de indução, como capacho, das pessoas. Quer botar esse cool como lgbt, ponha classificação prévia e a partir das 23hs em qualquer rede social. Isso é respeitar a lei.

    Curtir

  8. Denilson Santos

    Quer dizer que não pode sexualizar nas vestimentas, mas pode colocar personagens “fluídos sexualmente”?
    Isso para crianças?
    Não pode colocar roupas decotadas nas personagens, mas pode colocá-las pra beijar? Não pode colocar a she-ra pra ter um romance heterossexual “por não ter tempo pra romance” mas duas princesas podem? Isso pra crianças? Tudo pelo lacre! O mainstream não desiste…

    Curtir

  9. Na minha opinião, eu encaro a série She Ra da Netflix como uma obra fora do universo da série original dos anos 80. Noelle Stevenson criou um novo universo,e com a visão totalmente diferente do original pois a série dos anos 80 era mais focado na mitologia, essa versão perdeu a essência e o foco da lenda da She-ra focando totalmente em relações super complexa dos personagens,com isso perdendo a beleza e a essência do original. A Noelle Stevenson utilizou o nome dos personagens, cenário, e pequenos padrões da série original, para tentar embarcar na fama do anterior. She-ra é uma história muito boa e clássica e por isso que fez muito sucesso nos anos 80, para termos um apego e uma experiência melhor com a série nova devemos encarar como se fosse um outro universo com nenhuma relação com o clássico apesar do nome. Todas as duas obras são boas em seu universo.

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: